A segunda live no perfil do Instagram, uma ação do PMIRS Online, programa que reúne uma série de entregas e serviços digitais do Capítulo, abordou o tema “trabalho remoto”. O convidado para debater o assunto foi o Gerente Suporte Enterprise da Dell e ex-presidente do PMIRS, Fábio Giordani.

As lives no @pmi_riograndedosul acontecem às terças-feiras, das 19h30 às 20h. Os participantes votam e escolhem o assunto da próxima conversa ao final da live.  

O trabalho remoto é um tema seguidamente debatido no mundo do trabalho. Mas voltou à tona de uma forma veemente diante da necessidade de isolamento social devido à pandemia do novo coronavírus. O assunto foi abordado por Giordani em outros momentos e eventos realizados pelo Capítulo. Ele é um profissional com uma trajetória reconhecida e consolidada liderando times remotamente. Trabalha home office há muitos anos.

Mas nesta sua participação na live ficou evidente a necessidade que o momento gerou de compartilhamento de experiências sobre os desafios em conduzir o dia a dia de trabalho com a presença da família, de vizinhos ou mesmo da solidão, para aqueles que vivem sozinhos. Além da questão da individualidade, questões de saúde e bem-estar têm ficado em primeiro plano.

Conforme observou Giordani, antes da necessidade desse distanciamento social forçado, ao final do horário de trabalho, se desligava o computador e se fazia alguma atividade de lazer, muitas vezes, fora de casa. Muitas delas estavam relacionadas também ao convívio com colegas de trabalho, mas em ambiente social.

Mudanças de rotina como essas se somaram a alterações drásticas na forma de produzir para aqueles que não trabalhavam em home office. O trabalho em casa impõe disciplina, foco, espaço e horário adequados. Por outro lado, permite uma flexibilidade maior e convivência familiar que antes não era possível da mesma forma.

O desafio da manutenção da produtividade e do bem-estar pessoal, os desafios tecnológicos e o cenário de um “novo normal” parecem ser questões que vão ocupar o mindset dos profissionais e das empresas daqui em diante. E aquela velha discussão que algumas organizações e setores faziam sobre a viabilidade do home office tomou outra proporção.

Para Giodani é evidente um movimento muito grande de compartilhamento, de liberação de acessos, do interesse pela capacitação. E junto com isso, ele acredita que viveremos um aceleramento de cocriação, cooperação, e “coopetição” (o inverso de competição).   

 

16 de abril de 2020