RSS PMI-RS Notícias de PMI-RS Wed, 24 Jul 2024 02:20:11 -0300 Wed, 24 Jul 2024 02:20:11 -0300 Visaoi https://pmirs.org.br/rss Por que as certificações do PMI são tão valiosas para profissionais de projetos? Entenda Wed, 17 Jul 2024 22:40:57 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/772/?por-que-as-certificacoes-do-pmi-sao-tao-valiosas-para-profissionais-de-projetos-entenda.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/772/?por-que-as-certificacoes-do-pmi-sao-tao-valiosas-para-profissionais-de-projetos-entenda.html Sabe qual objetivo é comum encontrar entre as metas dos profissionais de projetos? As certificações do PMI. Pode procurar. Provavelmente, uma delas estará lá. E não é só na lista de desejos dos gerentes de projetos que elas aparecem, não. A Forbes publicou recentemente uma relação com as 16 certificações de alta remuneração para empregos remotos em 2024 (veja aqui), e adivinha? Tem certificação do PMI por lá também. A Project Management Professional (PMP®) é a segunda apresentada entre as certificações relevantes, que podem ser “um divisor de águas” em um cenário de trabalho flexível, competitivo e bem remunerado, segundo o portal.

Outra lista mostra as certificações do PMI no topo, entre as mais procuradas. Em 2023, a Entrepreneur  apresentou a Certified Associate in Project Management (CAPM®) e a PMP® como primeiras entre 9 certificações profissionais importantes para quem deseja se destacar em diversas áreas de atuação (veja aqui). Essas duas estão, de fato, entre as certificações mais procuradas do PMI, sendo PMP® a certificação considerada padrão-ouro para profissionais de projetos - que certifica experiência, habilidades avançadas e conhecimento aprofundado na área, e a CAPM®, a certificação ideal para quem está começando na carreira.

Mas o que faz as certificações do PMI serem tão estimadas pelos gerentes de projeto? Nós conversamos com o sócio da JUMP, empresa ATP (parceira Autorizada para Preparatórios das Certificações PMI), Anderson Sales, para entender por que essas certificações são tão valiosas para quem almeja avançar na carreira. Confira os três aspectos ressaltados por ele:


  • Reputação Internacional: O PMI é a maior organização e comunidade de gerenciamento de projetos do mundo. Ele chancela ambas as certificações. São quase 55 anos de história e 1,5 Milhões profissionais certificados somando PMP® e CAPM®, números que consagram a relevância do instituto e suas certificações.
  • Progressão Profissional: A certificação PMP® é destinada a profissionais com experiência em gerenciamento de projetos e é uma demonstração de habilidades avançadas e conhecimento aprofundado na área. Já a certificação CAPM® é ideal para aqueles que estão começando na carreira de gerenciamento de projetos, servindo como um trampolim para a certificação PMP®. Ambas as certificações aumentam a empregabilidade e o potencial de ganhos dos profissionais.
  • Validação de Competências: Obter essas certificações valida o conhecimento e as habilidades dos profissionais em práticas de gerenciamento de projetos, metodologias ágeis e preditivas, além de melhores práticas reconhecidas globalmente. Isso traz confiança aos empregadores de que os profissionais certificados estão mais preparados para gerenciar projetos de forma eficaz.

A associada ao  PMIRS e Certificada PMP®, Fabiana Brugmann, contou que a certificação transformou sua carreira. “A certificação em si (PMP®) foi um divisor de águas dentro da minha carreira, porque ela me permitiu trabalhar com projetos de uma complexidade maior”. Além disso, Fabiana relatou que, após a certificação, seus projetos e salário foram valorizados. “Quando eu visito os clientes e, durante as conversas eles ficam sabendo que eu tenho a certificação PMP®, os projetos em si até acabam sendo mais valorizados. (...) Eu tive acesso a oportunidades que antes eu não tinha e, inclusive, a questão salarial pra mim, a partir do momento que eu tive a certificação, ela mudou bastante também”, disse.


3 caminhos para quem deseja passar na prova em 2024

A jornada em busca de incluir uma certificação no currículo pode ser desafiadora para muitos profissionais que precisam conciliar a rotina de trabalho com os estudos. Anderson Sales aponta três caminhos que podem facilitar a trajetória de quem deseja ser aprovado nos exames ainda em 2024. Segundo ele, participar de um treinamento preparatório oficial é essencial. “A participação em um curso preparatório oficial oferecido por um PMI Authorized Training Partner (ATP), como a JUMP, traz tranquilidade ao candidato à certificação por saber que estará estudando o conteúdo certo, na medida certa, sem desperdiçar o seu tempo”, explicou.

Interagir com o professor e ter a oportunidade de esclarecer dúvidas é outro caminho sugerido por Anderson. “Ter a opção de levantar a mão e perguntar ao professor na hora em que a dúvida aparece sempre foi efetivo desde o ensino básico. Somente assistir aulas gravadas não permite a troca com todos os outros envolvidos, sem contar o efeito energização e engajamento da turma quando todos trabalham para o mesmo objetivo”, comentou ele.

Por fim, o Trainer aconselhou a realização de simulados. “Fazer muitos simulados é fundamental para se familiarizar com a velocidade de leitura, com o formato das questões e identificar áreas que precisam de mais atenção. Revisar os erros cometidos no simulador e estudar as explicações para entender melhor os conceitos reforça ainda mais o aprendizado”, concluiu.

Se você deseja dar este passo na carreira e obter uma das certificações do PMI, fique de olho em nossa agenda aqui no site e matricule-se em um curso preparatório. Clique aqui.


Fontes: Forbes e Entrepreneur.

]]>
Como surfar a onda das tendências e estar pronto para as oportunidades em gestão de projetos? Thu, 04 Jul 2024 17:39:48 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/771/?como-surfar-a-onda-das-tendencias-e-estar-pronto-para-as-oportunidades-em-gestao-de-projetos.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/771/?como-surfar-a-onda-das-tendencias-e-estar-pronto-para-as-oportunidades-em-gestao-de-projetos.html O ponto de vista é este: você está à mesa com a Chapter Engagement Manager, Natália Tavares, e juntos conversam sobre as tendências em gerenciamento de projetos no Brasil e no mundo. Seria uma oportunidade incrível, não é mesmo? Esta é a sensação de quem ouve o 20˚ episódio do Projcast e pode conferir as oportunidades de mercado e vários insights sobre carreira. Lançado em 3 de julho nas plataformas de streaming (clique para ouvir), o episódio marcou a retomada do Projcast, iniciativa do PMIRS que pretende compartilhar as boas práticas em projetos através de bate-papos com convidados que são profissionais experientes da área.

“O episódio 20 está realmente especial. Este é o primeiro episódio de 2024 e fizemos questão de trazer um tema super atualizado, que pode gerar insights de carreira, tanto para gestores de projetos, quanto para profissionais de outras áreas”, afirmou o líder do projeto, Thiago Machado. A edição contou com a facilitação da voluntária do PMIRS e integrante do time do Projcast, Fernanda Barbosa, que conduziu a conversa com a convidada Natália Tavares, baseada no relatório Global Project Management Job Trends 2024, publicado pelo PMI. Confira abaixo alguns dos tópicos abordados no episódio.

Alta demanda no setor de tecnologia - A alta demanda por profissionais versados em tecnologia foi um dos tópicos abordados entre as profissionais. “Está bem claro que a necessidade de talentos em projetos de tecnologia está se tornando cada vez mais urgente em toda a América Latina. Basta olhar para a indústria do software. Ela estava a caminho de crescer mais de 9% em 2023 e se espera que ela continue subindo de 6% a 8% a cada ano até 2030, de acordo com o relatório da PWC”, comentou Natália.

Power Skills e seu poder de diferenciação - Segundo a especialista, habilidades técnicas não são suficientes para fazer gerentes de projetos aptos para as grandes oportunidades. “Você, como gerente de projetos, para atender a demanda do setor, vai precisar de uma combinação de know-how técnico e aquelas Power Skills ou habilidades interpessoais que são tão importantes. Você vai ter que estar versado nas últimas tendências e tecnologias de negócios, mas também vai precisar ser um excelente comunicador, um colaborador, um inovador”, explicou. Natália acredita que o desenvolvimento em conjunto dessas habilidades posiciona o profissional de projetos para aproveitar as oportunidades que estão surgindo no mercado de trabalho. 

Energia renovável como oportunidade - Segundo o Job Trends 2024, o setor de energia e construção, deverão impulsionar as atividades de projetos e gerar oportunidades de emprego. Natália comentou um dos dados apontados no relatório, que mostra o Brasil com a maior participação de energia limpa entre as principais economias, com cerca de 93% de sua eletricidade vinda de fontes renováveis. “Acho que uma das principais maneiras pelas quais os gerentes de projeto podem capitalizar essa tendência é buscando ativamente projetos do setor de energia renovável, seja a energia solar, eólica, hidrelétrica, ou outras tantas fontes de energia limpa. Existe uma necessidade crescente de talentos qualificados em projetos para dar vida a essas iniciativas”, aconselhou a convidada.

Ainda segundo ela, é importante se conscientizar sobre os desafios e as oportunidades que surgem de projetos de energia renovável. “Esses projetos geralmente envolvem gerenciamento complexo de stakeholders, tecnologias inovadoras e um foco muito forte em métricas de sustentabilidade”, disse. Você pode conferir mais sobre essas e outras tendências em gerenciamento de projetos ao ouvir o Episódio 20 do Projcast.


Nova temporada do Projcast

O líder do projeto, Thiago Machado, antecipa que a nova temporada do Projcast terá outros temas e convidados relevantes, que vão contribuir para o crescimento da comunidade de projetos. “(...) O que a gente faz é tentar entender o mercado, entender as tendências, entender quais são os assuntos críticos do momento e trazer esses assuntos para dentro dos nossos episódios. O intuito é trazer temas de relevância não só para aqueles que estão dentro da área de gestão de projetos mas também para as pessoas que estão interessadas em gestão de projetos, estudantes, profissionais de outras áreas e para a comunidade em geral”, explicou Thiago.

O episódio 21 já tem data de estreia e convidado confirmados. O segundo episódio do ano terá a participação especial do Diretor de Marketing e Presidente do PMI-CE, Cristiano Oliveira, para um bate-papo sobre Inteligência Artificial e Automação. O episódio estará disponível no dia 17 de julho, nas plataformas de streaming Spotify, iTunes, Google Podcast e Deezer.


Fonte: Global Project Management Job Trends 2024.

]]>
Trabalho híbrido tem exigido uma nova forma de acompanhamento e gestão dos times Tue, 02 Jul 2024 18:11:54 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/770/?trabalho-hibrido-tem-exigido-uma-nova-forma-de-acompanhamento-e-gestao-dos-times.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/770/?trabalho-hibrido-tem-exigido-uma-nova-forma-de-acompanhamento-e-gestao-dos-times.html "Pessoas entendem que o equilíbrio entre a vida pessoal e a carreira é, cada vez mais, um ativo." A declaração é da Gerente de Processos e Projetos na Unimed Porto Alegre, Renêe Amaral, que coordena um time híbrido. Engenheira, especialista em Gestão de Projetos, Escritório de Projetos, Finanças Corporativas e Governança, Renêe defende o modelo híbrido de trabalho como um caminho sem volta, mas que exige pontos de atenção.

Após a pandemia, as prioridades foram deslocadas e o trabalho deixou de ser o principal foco do tempo das pessoas. E como toda mudança exige adaptação, as novas formas de trabalho ainda impactam a rotina das empresas e trazem seus desafios.

De acordo com o relatório Pulse of the Profession 2024®, do PMI®, aproximadamente 61% dos profissionais de projetos trabalham remotamente pelo menos parte do tempo. O modelo inclusive é adotado no PMI®, que permitiu a aproximação de pessoas talentosas, independentemente de suas localizações no mundo. Segundo o relatório, em geral, os líderes sêniores permanecem menos confiantes do que os profissionais de projetos sobre a eficácia do trabalho remoto. "Na realidade, mais uma vez, onde as equipes trabalham, por si só, não é um bom preditor do cumprimento dos objetivos comerciais dos projetos. O que importa é que a abordagem funcione para o projeto e a equipe", aponta documento.

Renêe explica que a empresa adota três formatos de trabalho. "Nós temos um modelo presencial para poucas pessoas, o modelo híbrido e o modelo de teletrabalho, que é preferencialmente home office. Entendo que quanto mais robusta é a cadeira, quanto mais expert, mais fácil é trabalhar no modelo híbrido e teletrabalho. Quanto mais júnior e operacional, mais difícil é, porque é necessário uma gestão de operação e de rotinas. Fazer essa gestão em um modelo que é 100% teletrabalho é mais desafiador, principalmente com times grandes", pontua.

O time que ela gerencia é um time sênior e mesmo assim há alguns combinados para manter os objetivos bem alinhados. "Pelo menos uma vez por semana, um dos times vem todo presencial no mesmo dia, para termos esses momentos de maior conexão e alinhamento, que é mais rápido e não exige combinação de agenda. A desvantagem do modelo híbrido acaba sendo essa: o tempo das coisas acaba sendo mais longo e pode gerar um desalinhamento".

Segundo Renêe, a preferência atual é pelo modelo híbrido. Ela destaca que o aprendizado da gestão é estabelecer pontos de checagem e deixar muito claras as entregas de cada um, os prazos, os papéis e responsabilidades e ter checkpoints. "Justamente para que a gente garanta o alinhamento, que a via seja a correta para a expectativa e objetivo da demanda. Outro ponto relevante é a obrigação de termos que trabalhar muito mais no objetivo e na causa raiz, deixando claro e documentado para todos. Porque à medida que as pessoas não sabem o real porquê de estarem fazendo algo, a chance de elas pegarem esses desvios é muito maior".

Assim como a gestora, há um consenso de que não existe uma forma melhor do que a outra quando falamos em modelos de trabalho. É preciso avaliar o que funciona melhor para a empresa em termos de resultado e também de satisfação dos colaboradores.

Fonte: Pulse of the Profession 2024 ®]]>
Festival de workshops dá continuidade ao movimento dos profissionais de projetos em prol do RS Fri, 28 Jun 2024 11:03:22 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/769/?festival-de-workshops-da-continuidade-ao-movimento-dos-profissionais-de-projetos-em-prol-do-rs.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/769/?festival-de-workshops-da-continuidade-ao-movimento-dos-profissionais-de-projetos-em-prol-do-rs.html O PMI Rio Grande do Sul segue encontrando formas de unir gestão de projetos e solidariedade para capacitar profissionais e ajudar as vítimas das cheias no estado do Rio Grande do Sul. Como parte da campanha PMIRS em Ação, o Capítulo Gaúcho estreou um festival de workshops com temáticas ligadas à gestão de projetos. Com o apoio de grandes profissionais da área, o Festival Workshops Solidários dedicará toda a verba arrecadada para auxiliar pessoas e instituições diretamente impactadas pelas enchentes. Ao todo são 10 workshops, ministrados entre os meses de junho e julho, de forma online.

Dentre os convidados para ministrar os workshops estão o Kanban Expert e Mentor, Caco Mafra, o CEO e Founder Conexão Ágil + Super Digital, Carlos Silva Jr, e o Disciplined Agile Expert e trainer da Jump, Adriano Tavares. Os workshops abrangem temas como Inteligência Artificial, Disciplined Agile, Design Thinking e Estratégia - você pode conferir todos os palestrantes e programação aqui.

O Festival Workshops Solidários surgiu para dar continuidade ao grande movimento solidário gerado através da Superlive, projeto que arrecadou mais de R$ 62 mil para apoiar as vítimas das enchentes - saiba mais aqui. O Sócio da JUMP (parceira oficial do PMI), Anderson Sales, mobilizou um grupo de amigos e profissionais experientes da área de gestão de projetos que, motivados por seguir ajudando os gaúchos, se dispuseram a compartilhar conhecimento relevante, de forma solidária. “Temos 10 workshops, de temas extremamente relevantes para o gestor de projetos, que vão fazer bastante sentido para o uso no dia a dia de trabalho; temas que são importantes, hoje, para o nosso mercado”, declarou Anderson. A iniciativa é uma realização do PMIRS.

Gabriel Verás Wilke participou do segundo workshop da programação, sobre Inteligência Artificial, e compartilhou seu depoimento nas redes sociais. “Tivemos a oportunidade de assistir ao show do Cristiano Oliveira. Parabéns pelo conteúdo, pela didática e pela organização do WS (workshop). Até agora esse foi o melhor WS que eu participei sobre IA”, disse Gabriel.



Por que participar do Festival Workshops Solidários

Segundo a diretora de eventos estratégicos do PMIRS e doutoranda em Engenharia de Produção, Aline Gularte, além de beneficiar as vítimas das enchentes, a ação pretende promover o conhecimento e fomentar o engajamento comunitário. Ao todo, são 43 horas de capacitação, com 10 profissionais renomados. Aline destacou os principais benefícios para quem participar do Festival. Segundo ela:


  • Desenvolvimento profissional: participar de workshops oferece uma oportunidade de aprendizado e aprimoramento de habilidades relevantes para suas carreiras. Além disso, o festival oferece certificados com PDUs para que os profissionais certificados em PMP possam comprovar suas horas de participação no evento.
  • Networking: o Festival proporciona um ambiente para conectar-se com outros profissionais, trocando experiências e expandindo sua rede de contatos.
  • Responsabilidade social: contribuir para uma causa nobre e socialmente relevante, o que também reflete positivamente na imagem profissional.
  • Impacto na carreira: participar de eventos como esse demonstra comprometimento com o desenvolvimento contínuo e com causas humanitárias, algo valorizado no mercado de trabalho.

Bernardo Zurli, Vice-Presidente de Desenvolvimento Profissional do PMIRS, vê no Festival uma grande oportunidade para adquirir conhecimento com valor acessível. “Temos temas relevantes como agilidade, certificações, liderança, estratégia e pessoas, podendo comprar um combo a cerca de 50% dos preços normalmente cobrados e principalmente ajudar as pessoas afetadas pelas enchentes”, afirmou.


Confira a programação e adquira seus ingressos

O próximo workshop acontece nos dias 1 e 2 de julho, com a CEO e Sócia na Agile Think, Deborah Zavistanavicius. A profissional irá ministrar o workshop com tema “Desbloqueando a Criatividade: Explorando os Fundamentos do Design Thinking”. 

Os ingressos para o Festival Workshops Solidários podem ser adquiridos separadamente, por workshop (aqueles que ainda não tiverem acontecido), ou através do combo, que reúne todos os workshops por preço especial. Cada workshop fornece certificado, 3 PDUs e disponibiliza a gravação da sessão até 30 de setembro. Participe e contribua! Compre o seu ingresso e confira detalhes da programação aqui.



Saiba como será a gestão dos recursos arrecadados

No mês de maio, o PMI Rio Grande do Sul criou o Comitê Gestor de Doações em Dinheiro para garantir transparência na gestão dos recursos arrecadados por meio das iniciativas solidárias da campanha PMIRS em Ação. O comitê é constituído por representantes dos conselhos internos, da Diretoria Executiva, de comitês, bem como por membros filiados e voluntários do Capítulo gaúcho. Fica sob responsabilidade do novo comitê o desenvolvimento de regras para distribuição dos valores, com o propósito de destinar as doações com mais responsabilidade e eficiência.

Três reuniões já foram realizadas, nos dias 4, 11 e 25 de junho. O comitê efetivou as primeiras doações de acordo com as regras definidas de distribuição. Filiados e voluntários do PMIRS, e também ONGs que foram diretamente impactadas pelas enchentes estão sendo beneficiados.

]]>
Conectando ODS a Projetos - Série do PMIRS alerta para os objetivos do desenvolvimento sustentável Thu, 13 Jun 2024 15:38:19 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/768/?conectando-ods-a-projetos---serie-do-pmirs-alerta-para-os-objetivos-do-desenvolvimento-sustentavel.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/768/?conectando-ods-a-projetos---serie-do-pmirs-alerta-para-os-objetivos-do-desenvolvimento-sustentavel.html A sigla ODS (Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) soa familiar para você? Estabelecida em 2015 pela Assembleia Geral das Nações Unidas (AGNU), a Agenda 2030, como é conhecida, definiu 17 objetivos e 169 metas globais de desenvolvimento sustentável interconectadas e que devem ser prioridades nas agendas dos 193 Estados-membros da ONU, que inclui o Brasil.

Este mês iniciamos a série "Conectando ODS a Projetos", integrante do programa PMIRS em Ação, que está mobilizando a comunidade de projetos brasileira e latinoamericana em torno de ações solidárias em prol das vítimas das enchentes no Rio Grande do Sul, com iniciativas como a SuperLive Solidária e Workshops Solidários. Todas as ações terão os recursos doados em prol das vítimas, junto à entidades parceiras e iniciativas diretas de apoio aos filiados atingidos pelas cheias.

Nas próximas semanas, você poderá acompanhar uma série de insights e informações valiosas para saber como os ODS podem se conectar a projetos, programas e portfólios  Apesar dos ODS não serem uma métrica de avaliação e mensuração de impacto social, eles ajudam empresas e organizações a criarem ações direcionadas considerando esses objetivos e indicadores.

Para entendermos melhor essa relação, convidamos um profissional certificado PMP, PMO-CP, GPM-s, que é PMO e especialista em Projetos em ESG e Sustentabilidade, Felipe Borges. "Lidar com projetos alinhados aos ODS é de fato um caminho para maximizarmos o impacto positivo tanto na sociedade, no meio ambiente, quanto em toda a cadeia de suprimentos que nos cerca. Nós, como gerentes de projetos, temos uma grande ferramenta impulsionadora de projetos rumo à sustentabilidade, e precisamos conhecê-la a fundo para aplicá-la", diz.

Acompanhe a entrevista abaixo e prepare-se para acompanhar e compartilhar a série em nossos canais de comunicação.

PMIRS: Neste momento de desafios no Rio Grande do Sul, a ODS 11 suscita muitas discussões e uma visão mais realista e aprofundada das questões relacionadas às Cidades e Comunidades Sustentáveis. Em sua visão, por que o Estado do RS e o Brasil ainda estão longe de atingir esse indicador como deveriam?


Felipe Borges -  Sim, ainda falta um longo caminho não só para o Brasil, como para o Rio Grande do Sul, alcançar os resultados propostos nas metas e indicadores do ODS 11, que em sua redação remete a construirmos cidades e comunidades cada vez mais inclusivas, seguras, resilientes e sustentáveis.

Atualmente, são ineficazes e até mesmo ausentes as políticas e estratégias estruturantes para a ocupação dos territórios de uma forma disciplinada e organizada, com a implementação de elementos sustentáveis. E, ainda mais com o aumento contínuo da população, esse desafio se torna ainda mais eminente. Estima-se que 50% da população mundial vive em áreas urbanas e que até em 2050, no Brasil, esse número alcançará aproximadamente 85%. Dessa forma é preciso que nós tenhamos estratégias, políticas e planos muito eficazes de como esses territórios urbanos devem ser ocupados e configurados, considerando a disponibilidade territorial, aspectos ambientais e socioeconômicos, a demanda por equipamentos e serviços públicos e a prestação de serviços “verdes”.

Para alcançarmos os resultados esperados, o desenho desses planos e estratégias, sobretudo sobre os territórios urbanos, não podem se restringir  à coleta e o tratamento de resíduos, à utilização de energia limpa por fontes alternativas, ao transporte e à mobilidade urbana de qualidade e à acessibilidade plural. Mas, também, pensando como nós podemos reduzir o risco aos desastres, como podemos ser resilientes nos eventos climáticos extremos que podem acontecer e como podemos mitigar impactos oriundos deles e aplicar planos de resposta imediatos..

À luz deste contexto, reforço, as políticas são de fato ausentes ou ineficazes e é latente a necessidade de incluirmos o tema nas pautas de debate.

PMIRS: Lidar com os projetos e portfólios alinhados aos ODS pode ser um caminho para maximizar o impacto positivo na sociedade, meio ambiente e cadeia produtiva? Como o Gestor de Projetos pode alinhar os objetivos aos projetos de forma prática?


Felipe Borges -  Sim, perfeitamente. Lidar com projetos alinhados aos ODS é de fato um caminho para potencializarmos o impacto positivo tanto na sociedade, no meio ambiente, quanto em toda a cadeia. É importante destacar que os ODS figuram como um framework, uma forma de trabalho que vai nos ajudar a fazer com que os nossos projetos sejam sustentáveis e que impulsionem o alcance dos resultados.

Então, como a gente pode fazer isso de modo prático?
Primeiro, identificar qual é o problema, a dor que nós vamos resolver com aquele projeto (objetivo principal do projeto), e identificar oportunidades no emprego do framework ODS e de quais deles serão priorizados durante todo o ciclo de vida do projeto, considerando os seus processos, o produto final e o benefício que esse projeto, programa ou portfólio irá perpetuar no final.

É importante identificar as oportunidades, os pontos de contato onde podemos, durante todo o ciclo de vida, pensar em contribuir positivamente nos ODS endereçados por esses portfólios, programas e projetos, também considerando incluir a nossa cadeia de fornecimento, priorizando os fornecedores que já aplicam práticas sustentáveis nos seus negócios. Dessa forma é possível impulsionar também os resultados do nosso projeto.

PMIRS: Qual o papel dos profissionais de projetos na busca por alcançar os objetivos sustentáveis? Qual postura deve ser adotada por instituições e empresas para criar-se uma cultura contínua de melhoria?


Felipe Borges - Tanto profissionais de gestão de projetos quanto instituições, empresas e o poder público precisam se apropriar da sustentabilidade. De fato, a sustentabilidade não pode ser mais um trade-off de escolha entre economia, resultado financeiro positivo e desenvolvimento sustentável. Os projetos hoje precisam gerar valor aos negócios, mas também precisam contribuir para um planeta melhor em todos os eixos possíveis com a geração de valor para a sociedade.

Acredito que os profissionais de projetos precisam se debruçar sobre o tema e porque não consultar opinião especializada e começarem a incluir nos seus projetos a prática de ações mais sustentáveis, independentemente do ciclo de vida deles. Essa postura deve ser contínua. A cada projeto que façamos é importante que empreguemos esforços para potencializar a contribuição que podemos dar para o alcance dos objetivos do desenvolvimento sustentável em cada uma das iniciativas em que a gente atua, pensando não só em nível de projeto, mas também em nível de portfólio e negócio.

Precisamos entender, como gerentes de projetos, que é um assunto indispensável hoje. Os nossos projetos precisam de fato entregar resultados, mas eles têm que alcançar também um impacto social positivo muito significativo. É importante que nós pensemos dessa forma, uma forma de apropriação e de adoção das melhores práticas dos ODS nos nossos projetos daqui pra frente.


]]>
Superlive Solidária arrecadou mais de R$ 62 mil para vítimas das enchentes do RS: assista Sat, 08 Jun 2024 10:46:10 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/767/?superlive-solidaria-arrecadou-mais-de-r-62-mil-para-vitimas-das-enchentes-do-rs-assista.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/767/?superlive-solidaria-arrecadou-mais-de-r-62-mil-para-vitimas-das-enchentes-do-rs-assista.html O que será que acontece quando profissionais de projetos de vários lugares do Brasil e do mundo se unem por uma causa? Com certeza, algo grande. Após as enchentes devastadoras do mês de maio, que deixaram milhares de pessoas desabrigadas no Rio Grande do Sul, o PMIRS iniciou uma jornada de ações solidárias. A Superlive Solidária, realizada no dia 31 de maio, foi uma dessas iniciativas, que obteve público de 630 espectadores e arrecadou R$ 62.186,99 entre doações e ingressos solidários, para as vítimas das cheias.

Ao todo, foram 12 horas de conteúdo sobre projetos disponibilizados por 12 profissionais renomados da área. A live contou com palestras de Ricardo Vargas, Mário Trentim, Américo Pinto, Luis Guardado, Princess Scott, Manuel Ortiz de Zevallos, entre outros grandes nomes do mundo de projetos. Capítulos brasileiros do PMI também apoiaram a iniciativa, compartilhando a ação em suas regiões.

Manuel Ortiz de Zevallos, Executive Director de CLADEA e um dos palestrantes da Superlive Solidária, compartilhou sua alegria em participar da iniciativa nas redes sociais. “Felicitaciones por todo el trabajo realizado!! Esta comprobado que con la suma de pequeños aportes ofrecidos por cada uno, los resultados son inmensos”, comentou.

O presidente do PMIRS, Alex Rosa, também celebrou o sucesso da iniciativa. “A gestão de projetos, por si só, sempre demonstrou seu potencial transformador. Agora, ter nossa comunidade global unida pelo Rio Grande do Sul e trabalhando para ajudar as vítimas das enchentes, foi uma prova concreta de que juntos podemos muito mais!”, afirmou Alex.

A Diretora de Projetos de Impacto Social do PMIES, Sandrelly Lopes, assistiu a live e a considerou um momento importante para a comunidade de projetos. Durante a transmissão, ela comentou: “Esse evento reforça o propósito de fazer a diferença através da mobilização da comunidade e o PMI. Importante momento e inspirador”. Wesley Teles, que é Gestor de projetos de Engenharia e Inovação Tecnológica, concordou sobre o impacto do evento. “A Superlive foi um marco para a comunidade brasileira de gerenciamento de projetos. Juntos podemos fazer muito, com cada um contribuindo conforme suas habilidades e disponibilidade”, disse.


Mais uma oportunidade para ajudar o RS e assistir à Superlive

Quem não pôde assistir à Superlive Solidária durante a transmissão no dia 31 de maio, agora terá uma nova oportunidade de aprender com os profissionais renomados e ajudar o Rio Grande do Sul. A Superlive está disponível para compra através do Sympla, por tempo limitado, para que profissionais e estudantes de diversas áreas possam ver e rever o conteúdo, separado por palestras, conforme disponibilidade de agenda. O acesso ao material ficará disponível até o dia 30 de setembro.

Adquira o seu acesso, ajude o RS e acumule 12 PDUs. Clique aqui.

]]>
Melhor PMO do ano da etapa nacional destaca práticas para a valorização dos Escritórios de Projetos Tue, 14 May 2024 10:35:07 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/764/?melhor-pmo-do-ano-da-etapa-nacional-destaca-praticas-para-a-valorizacao-dos-escritorios-de-projetos.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/764/?melhor-pmo-do-ano-da-etapa-nacional-destaca-praticas-para-a-valorizacao-dos-escritorios-de-projetos.html Um PMO estruturado "contribui para a unificação da gestão, para o aprimoramento dos resultados e melhora de forma continuada os processos da Organização”. O destaque é da Gestora de PMO, especialista e Advisor em Planejamento e Gestão de Projetos, Ana Lucia Pansini, que representa o PMO da Secretaria de Economia e Planejamento do Governo do Estado do Espírito Santo, Vencedor do "Prêmio PMI Brasil Melhores do Ano - Categoria Melhor PMO", entregue durante o último Congresso Brasileiro de Gestão, Projetos e Liderança.

Nós conversamos com ela sobre os aspectos que corroboram para o sucesso de um Escritório de Projetos e a especialista apontou direcionamentos importantes para que os PMOs sejam estratégicos para as organizações.

Confira a entrevista completa e compartilhe.

Como trabalhar a cultura da empresa/instituição antes da implantação de um PMO e por que isso é importante?

Ana Pansini - É importante realizar o planejamento para delineamento da Estratégia e do Portfólio de projetos, definir a metodologia de gerenciamento dos projetos e realizar formação das equipes por meio de treinamentos, workshops dentre outros, com foco no atendimento das demandas da Organização e, principalmente, por meio da geração de valor. Isso é importante para que a alta gestão constate e compreenda a importância de um PMO para o alcance dos resultados para a Organização.

Quais são as práticas imprescindíveis em um PMO atual para essa compreensão de valor?

Ana Pansini - Podemos elencar várias, mas as principais prática são:
1. Implementação e consolidação de metodologia de gestão de programas e projetos, incluindo a criação e fortalecimento dos escritórios setoriais;
2. Difusão da cultura de planejamento e gestão de projetos por meio de transferência da metodologia utilizada, por meio do investimento na realização de treinamentos, workshops e etc.;
3. Realização do gerenciamento intensivo dos projetos, incluindo a gestão de portfólio, garantindo a integração entre o Planejamento Estratégico e a gestão dos projetos.

Quais são os principais desafios do PMO com a implementação da Inteligência Artificial (IA)?

Ana Pansini - Atualmente, são a morosidade no investimento em tecnologias que utilizem a IA; o desconhecimento pelos profissionais e também pela alta gestão, das formas de utilização da IA e das vantagens de sua utilização; e ainda as formações em número insuficiente para o preparo dos profissionais para a utilização da IA.

O que levou o PMO-ES (Escritório de Projetos do Governo do Estado do Espírito Santo) a ser considerado o melhor do Brasil? Quais práticas condutas destaca?

Ana Pansini - Acredito que isso se deve ao fato de termos uma estrutura organizacional que promove a integração de toda a equipe de governo, por meio do estabelecimento de uma governança que possibilita a clareza das atribuições de cada órgão de governo e das pessoas envolvidas na gestão dos programas e projetos. Isso porque o PMO-ES implementa a metodologia Programa de Gestão para Resultados – Realiza+ -, dando suporte aos gerentes de programas, projetos e demais envolvidos diretamente na execução dos projetos, gerando resultados mensuráveis para toda a sociedade capixaba.

Como práticas que conduziram o PMO-ES à conquista do prêmio, destacam-se: 

  1. A implementação de uma metodologia (Realiza+) fundamentada num modelo de governança que promove e conduz à geração de resultados mensuráveis, pois prioriza a difusão da cultura de planejamento e gestão de projetos, incluindo principalmente a formação de todas as pessoas envolvidas na execução e gestão de projetos;

  2. O gerenciamento intensivo dos programas e projetos, garantindo a integração com o planejamento estratégico, contemplando a avaliação dos resultados por meio de indicadores. A gestão dos programas e projetos é realizado pela equipe do PMO-ES e inclui a realização de reuniões de gestão dos projetos com o Governador que monitora de forma prioritária a execução de cada projeto do Portfólio do Governo, garantindo assim, o sucesso no cumprimento dos objetivos, das metas, dos prazos e, principalmente, a realização das melhores entregas para a sociedade capixaba;

  3. Utilização de sistema de gestão dos projetos para o monitoramento contínuo dos programas e projetos, e a implantação e fortalecimento de escritórios setoriais que muito contribuem para a gestão eficaz dos projetos, para a difusão da cultura e consolidação da metodologia utilizada que é o Realiza+.

    PMO Vencedor do Prêmio PMI Brasil Melhores do Ano - Categoria Melhor PMO
]]>
CBGPL 2024 consolida tendências na gestão de projetos Fri, 03 May 2024 14:11:04 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/763/?cbgpl-2024-consolida-tendencias-na-gestao-de-projetos.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/763/?cbgpl-2024-consolida-tendencias-na-gestao-de-projetos.html Toda a comunidade de gestão de projetos brasileira se reuniu no Rio de Janeiro, nos últimos dias 29 e 30 de abril, para o 19º Congresso Brasileiro de Gestão, Projetos e Liderança (CBGPL), organizado pelo PMI Rio de Janeiro, em parceria com os demais Capítulos do país. Reconhecido por apontar e discutir as tendências em gestão, projetos e liderança para líderes de projetos e agentes de mudança atuantes em diversos segmentos, o evento foi prestigiado por mais de 800 profissionais, inclusive do PMI Rio Grande do Sul.

Na programação, destaque para grandes nomes da Gestão de Projetos no mundo, entre eles Pierre Le Manh, President e CEO do PMI; LuAnn Piccard, Board Chair do PMI; Americo Pinto, Managing Director of PMO Global Alliance - PMI; Mirian Rodrigues, Diretora de Tech & Inovação da GSK, e outros tantos palestrantes e especialistas convidados para conduzir dois dias intensos de workshops, palestras e painéis.

A delegação do PMIRS participou ativamente, inclusive como palestrante, como foi o caso da Diretora de Comunicação do PMIRS, Kátia Argemi, que compartilhou o trabalho que está sendo desenvolvido há três anos no Capítulo. “Foi uma experiência extremamente gratificante. Ao destacar um trabalho de continuidade, baseado na estruturação realizada pela gestão anterior, consegui mostrar como evoluímos ao enfrentar desafios, superar obstáculos e aprender lições importantes. A principal mensagem que quis transmitir, além dos números impactantes alcançados através da nossa estratégia, é a importância de conhecer nosso público, entender suas necessidades e, a partir disso, definir canais adequados e desenvolver uma curadoria de conteúdos que engajem, sempre alinhados à estratégia da instituição (no nosso caso o PMI). E mais, no dinamismo das redes sociais, é essencial 'surfar conforme a onda', adaptando-se às mudanças sem perder de vista os objetivos iniciais estabelecidos no planejamento”, explica Kátia.

Entre os temas que chamaram a atenção dos congressistas, a Inteligência Artificial (IA) foi debatida em diversos momentos, como uma tecnologia que já está sendo incorporada na gestão de projetos e pelos gestores de projetos. "Eu gostei muito das palestras sobre o IA, em especial com o André Barcaui. O painel de experiências dos participantes e como eles já usam as ferramentas fortaleceram a necessidade de adequação do trabalho de gestão à prática do uso delas”, apontou Carolina Zilles, Gerente de projetos na Spro it Solution e filiada do PMI Rio Grande do Sul.

Para Samuel Calvano, Sr Project Manager na Manhattan Associates, a importância da Inteligência Artificial é indiscutível. "Além disso, gostaria de destacar a palestra de Renata Nigri sobre liderança assertiva, que ressaltou que quando ajustamos nossas estratégias de comunicação e interação podemos influenciar positivamente o ambiente de imediato, ativar a cultura e os hábitos das equipes. Foi uma apresentação inspiradora”, contribuiu. O estudo de caso sobre o PMO na Globo e os desafios dos PMOs também chamaram a atenção do participante.


Conheça os vencedores da etapa nacional do Prêmio Melhores do Ano

Além das palestras incríveis, outra programação era esperada pelos congressistas: o resultado da etapa nacional do Prêmio Melhores do Ano. A premiação ocorreu no último dia do evento e contou com a votação do Comitê Avaliador e voto popular. Os vencedores do Prêmio Melhores do Ano foram: Baterias Moura como Projeto do Ano, e a Secretaria de Economia e Planejamento do Estado do Espírito Santo como PMO do Ano.


CBGPL 2025 será em Fortaleza


Para coroar o sucesso do CBGPL 2024, os participantes puderam conhecer com exclusividade a sede do próximo Congresso Brasileiro de Gestão, Projetos e Liderança. Anunciado por Alex Rosa, presidente do PMIRS, que conduz a união dos Capítulos brasileiros - Integração Nacional; e pelo presidente do PMI Ceará, Cristiano Oliveira, o CBGPL 2025 acontecerá em Fortaleza (CE), nos dias 22 e 23 de abril.

“É sempre uma alegria e uma satisfação imensa poder participar e ver a entrega de excelência dessa edição do CBGPL. O PMI Rio de Janeiro tem todo o mérito, realizaram um trabalho incrível. O evento é o fruto da união dos Capítulos, motivo pelo qual reúne centenas de pessoas todos os anos. Contamos com você em Fortaleza!”, convida Alex Rosa.]]>
IA incentiva mudanças na gestão de projetos Thu, 02 May 2024 15:19:56 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/762/?ia-incentiva-mudancas-na-gestao-de-projetos.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/762/?ia-incentiva-mudancas-na-gestao-de-projetos.html A Inteligência Artificial (IA) na gestão de projetos é uma tendência inegável, que está em fase de compreensão e transição. O potencial transformador da IA já foi percebido pelos gestores de projeto, principalmente em setores como TIC (Tecnologia da Informação e Comunicação).

Prova disso, é que o PMI lançou recentemente um assistente pessoal baseado em IA generativa, chamado PMI Infinity, específico para gestores de projeto. É um interessante ponto de partida para quem deseja começar a aplicar IA nas suas atividades de gestão de projeto.

O Doutor em Ciência da Computação e Engenheiro de Hardware/Software, Francisco Assis Moreira do Nascimento, acredita que é cada vez mais difícil imaginar a gestão de projetos sem o auxílio da IA. "As demandas por eficiência, precisão e capacidade de lidar com grandes volumes de dados em tempo real só tendem a crescer. A questão agora é saber como a IA pode ser integrada eficazmente nas práticas de tomada de decisão", diz.

A opinião do expert é corroborada por Marcelo Antonelli, especialista em Entrega de Valor, que diz que "a IA provoca mudanças irreversíveis que transformam a forma como as empresas operam". Entre os ganhos para as empresas, ambos destacam a otimização da coleta e análise de grandes volumes de dados, bem como a otimização de tarefas simples, proporcionando insights mais precisos e rápidos utilizando na tomada de decisão em projetos.

Além disso, Francisco do Nascimento, destaca a minimização de riscos e o uso de técnicas de IA para otimizar a alocação de recursos, desde o capital humano até materiais e orçamentos, que pode assegurar que o projeto utilize os recursos da maneira mais eficiente possível.

"Utilizando técnicas de aprendizado de máquina, a IA pode analisar grandes conjuntos de dados de projetos passados para identificar padrões de falhas ou atrasos. A IA também pode ser usada para criar simulações de cenários de projeto, utilizando dados históricos e atuais para modelar diferentes resultados com base em variáveis específicas. Isso ajuda os gestores a entenderem melhor os potenciais impactos de decisões de projeto e a identificar antecipadamente pontos de risco que podem comprometer a entrega", exemplifica o especialista.

Mas como acompanhar essas mudanças e inovar utilizando a Inteligência Artificial? Confira a seguir as orientações dos especialistas para se aprimorar como profissional.


Gestores e líderes precisam compreender os benefícios da IA

Muitos gestores e líderes estão começando a compreender a importância da IA na gestão de projetos. Marcelo Antonelli reforça que, para que esse entendimento mova mudanças efetivas, é crucial que os gestores e líderes desenvolvam uma compreensão mais profunda de alguns pontos-chave, segundo ele:


1) Benefícios da IA na gestão de projetos: Os gestores precisam entender claramente os benefícios que a IA pode trazer para a gestão de projetos, como a automação de tarefas repetitivas, a análise de dados complexos para tomada de decisões mais informadas e a identificação de padrões para previsão de problemas.


2) Desafios e preocupações: É essencial que os líderes estejam cientes dos desafios e preocupações associados à implementação da IA na gestão de projetos, como questões éticas, viés nos algoritmos e possíveis impactos no emprego. Isso permite que eles tomem medidas proativas para mitigar esses riscos.


3) Capacitação e desenvolvimento: Os gestores devem investir na capacitação e desenvolvimento de suas equipes para garantir que elas possuam as habilidades necessárias para trabalhar com tecnologias de IA na gestão de projetos. Isso inclui não apenas habilidades técnicas, mas também competências como pensamento crítico, resolução de problemas e colaboração.


4) Cultura organizacional: É fundamental promover uma cultura organizacional que valorize a inovação, a experimentação e a aprendizagem contínua. Os gestores devem incentivar uma mentalidade aberta à mudança e ao uso de novas tecnologias, incluindo a IA, na gestão de projetos.


5) Governança e ética: Os líderes devem estabelecer políticas e diretrizes claras para o uso responsável da IA na gestão de projetos, garantindo transparência, equidade e responsabilidade em todas as etapas do processo.


Em resumo, para que o entendimento da IA na gestão de projetos mova mudanças nos times e empresas, os gestores e líderes precisam compreender os benefícios, desafios e preocupações associados à sua implementação, investir na capacitação das equipes, promover uma cultura organizacional que valorize a inovação e a aprendizagem contínua, e estabelecer políticas claras de governança e ética.


Para o especialista, Francisco Nascimento, a postura ideal dos líderes e gerentes de projeto quanto ao uso da IA seria de abertura e contínuo aprimoramento. "Os líderes e gerentes de projetos devem estar dispostos a aprender sobre novas tecnologias e buscar formação específica em IA. Além disso, é essencial cultivar uma cultura de inovação dentro das equipes, onde o uso da tecnologia é visto como um diferencial competitivo e não apenas como uma ferramenta", orienta.

Para se aprimorar e buscar novas soluções em IA, os gestores podem participar de cursos especializados, workshops, e seguir as atualizações em publicações especializadas e casos de sucesso no uso de IA na gestão de projetos.

]]>
Vai fazer a prova PMP®? Saiba como se preparar para o exame Mon, 29 Apr 2024 09:17:12 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/761/?vai-fazer-a-prova-pmp-saiba-como-se-preparar-para-o-exame.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/761/?vai-fazer-a-prova-pmp-saiba-como-se-preparar-para-o-exame.html A Certificação PMP® é, ao mesmo tempo, um sonho e um grande desafio para os profissionais de projetos. Isso porque representa um grande passo na carreira, que traz consigo conquistas importantes para a jornada do profissional. Mas, também, porque existe uma tensão em submeter-se a uma prova tão exigente - o que pode assustar gerentes de projetos que sabem que precisarão de dose extra de dedicação nos estudos para a tão sonhada aprovação.

A Project Management Professional (PMP®) é reconhecida e exigida por organizações em todo o mundo e, entre os objetivos, valida a competência de profissionais de projetos para gerir, liderar e dirigir projetos e pessoas. De acordo com o PMI, empregadores precisarão preencher cerca de 2,3 milhões de novos cargos orientados a projetos a cada ano até 2030. Até o momento, o PMI divulgou que já são mais de 1 milhão de gerentes de projetos com a certificação em todo o mundo.

O filiado e PMP®, Mauricio Lothhammer, recomenda a certificação. “O PMP® me proporcionou pelo menos umas três oportunidades de trabalho, onde essa certificação foi diferencial. Consegui trabalhar em outro estado, no Rio de Janeiro, onde incrementei networking, conheci outras empresas, tive a oportunidade de atuar em diversos desafios na minha carreira”, comentou. Atualmente, o profissional é gerente de projetos e líder de PMO.

O instrutor do curso preparatório para a Certificação PMP® do PMI São Paulo, Jorge Schubert, compartilhou algumas dicas importantes para auxiliar quem está se preparando para a prova da Certificação PMP®. Confira abaixo e planeje seus estudos para ser mais eficiente.


  • Como se orientar nos estudos

Essa orientação deve ser através do Exam Content Outline. As questões da prova se baseiam neste documento: o resumo do conteúdo do exame. Os livros que o PMI sugere são meras referências e não devem ser utilizados como guias de estudo.


  • Mentalidade do PMI para o gerenciamento de projetos

Conheça, entenda e assimile a mentalidade do PMI para gerenciamento de projetos, pois muitas questões avaliam se o candidato tem esse entendimento. E não se deve buscar a melhor resposta utilizando a sua mentalidade, caso ela não esteja totalmente alinhada com a mentalidade do PMI para gerenciamento de projetos.


  • Torne o PMP® um objetivo na carreira

Faça a conquista da certificação PMP® ser um propósito, estabelecendo este objetivo com comprometimento, dedicação, foco e disciplina. Após elaborar um planejamento de estudos, defina uma data para fazer a prova.


  • Faça simulados

Tão importante como assimilar o conhecimento necessário através de um bom curso preparatório e estudos complementares, é fazer vários simulados no padrão da prova, ou seja, 180 questões em 230 minutos, incluindo, se desejar, os 2 intervalos de 10 minutos. Sendo o tempo médio das questão de 76,7 segundos, manter um ritmo constante e não perder muito tempo nas mais difíceis, é essencial para chegar no final do exame com tranquilidade.



Novidade no PMIRS: Jump Professional Training é novo parceiro do Capítulo

A partir do mês de abril, filiados do PMIRS tem a sua disposição mais um parceiro autorizado para treinamentos em preparatórios. O Capítulo Gaúcho fechou uma parceria com o Jump Professional Training, empresa parceira e autorizada do PMI para a oferta de treinamentos e preparatórios para as certificações Project Management Professional (PMP)®, Disciplined Agile Scrum Master (DASM), Disciplined Agile Senior (DASSM) e Disciplined Agile Coach (DAC) e Certified Associate in Project Management (CAPM)®. Filiados do PMIRS têm desconto de 15% nos cursos da Jump. Para ativá-lo, basta inserir o cupom PMIRS15 na hora de finalizar a matrícula.

Coloque o PMP® como prioridade entre suas metas para 2024. Inicie um curso preparatório e boa sorte! Confira as turmas com inscrições abertas e matricule-se.


PMP® Preparatório Oficial Jump T20

Início das aulas: 02 de maio
Inscreva-se aqui.


Preparatório Oficial Certificação PMP® - T55

Início das aulas: 18 de maio
Inscreva-se aqui.


PMP® Preparatório Oficial Jump T21

Início das aulas: 27 de maio
Inscreva-se aqui.


 

]]>