RSS PMI-RS Notícias de PMI-RS Tue, 28 Jun 2022 14:51:12 -0300 Tue, 28 Jun 2022 14:51:12 -0300 Zend_Feed_Writer 1.12.21dev (http://framework.zend.com) https://pmirs.org.br/rss O que a Geração Z pode aprender com a Gestão de Projetos? Mon, 20 Jun 2022 11:25:41 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/662/?o-que-a-geracao-z-pode-aprender-com-a-gestao-de-projetos.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/662/?o-que-a-geracao-z-pode-aprender-com-a-gestao-de-projetos.html Uma geração que cresceu jogando videogame, falando ao telefone sem fio e está familiarizada com o mundo digital como nenhuma outra antes. A Geração Z, que compreende pessoas nascidas entre a segunda metade dos anos 90 e o início do ano 2010, acompanha de perto as inovações tecnológicas e as consome como parte da rotina diária - de fato, a tecnologia está incorporada ao seu dia a dia.

O que uma geração tão conectada - e que representa tanto o presente, quanto o futuro dos profissionais que estarão à frente de empresas e organizações nos próximos anos - pode aprender com a gestão de projetos?


Para o filiado e coordenador de Next-Gen do PMIRS, Bernardo Zurli, aprender sobre gestão de projetos pode fazer a diferença na vida profissional da geração de nativos digitais. “A Gestão de Projetos pode desenvolver uma visão estratégica em projetos que tenham ambientes orientados a mudanças”, explica. 


O coordenador do Next-Gen orienta os novos profissionais a observarem o novo Triângulo de Talentos do PMI e a aplicarem seus princípios em suas carreiras. Zurli destaca a necessidade de desenvolver habilidades interpessoais, como  liderança, inovação, propósito e empatia; a perspicácia estratégica de negócios, para compreender como os projetos se alinham com a estratégia e tendências globais; e a aplicação de ferramentas e metodologias sob medida para o que a situação e o ambiente necessitam - a forma de trabalhar.


“Temos oportunidades em áreas de voluntariado, em diversos projetos, onde se desenvolvem diferentes habilidades necessárias no mercado de trabalho atualmente”, comenta. Bernardo Zurli enfatiza a importância das oportunidades que o PMIRS oferece à Geração Z, por meio de capacitação, mentorias e networking, visando o poder de transformar a sociedade.


Para quem não sabe por onde começar, o coordenador orienta: “comece trilhando um planejamento pessoal de carreira a médio prazo. Depois, acompanhe o mercado e quais são as competências que precisa desenvolver para chegar lá”.

Por onde começar no PMIRS?

Uma boa dica é dar o primeiro passo com a Certificação CAPM® - Profissional Técnico Certificado em Gerenciamento de Projetos, que diferencia e aumenta a credibilidade de profissionais no mercado de trabalho (clique aqui para saber mais).


Para ficar por dentro de todas as outras oportunidades e benefícios que o PMIRS oferece para contribuir com sua jornada profissional, seja um filiado do Capítulo (clique aqui e saiba como).

]]>
Almoce com o PMIRS: uma pausa para manter-se atualizado e trocar experiências Thu, 16 Jun 2022 10:14:09 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/661/?almoce-com-o-pmirs-uma-pausa-para-manter-se-atualizado-e-trocar-experiencias.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/661/?almoce-com-o-pmirs-uma-pausa-para-manter-se-atualizado-e-trocar-experiencias.html No dia 8 de junho, o PMI Rio Grande do Sul realizou o primeiro “Almoce com o PMIRS” de 2022. O evento é uma iniciativa do Capítulo que tem como objetivo proporcionar a integração e networking entre os filiados, bem como a atualização de conhecimentos técnicos e outros conteúdos sobre gerenciamento de projetos por meio de palestras ou bate-papo. 


A primeira edição do ano contou com a presença de Fernando Bartelle, ex-presidente do PMIRS e Diretor de Execução de Projetos no Escritório de Desenvolvimento de Projetos do Estado do Rio Grande do Sul, que compartilhou sobre o Triângulo de Talentos e a sétima edição do Guia PMBOK®. “O Triângulo de talentos é uma base forte do PMI e o PMBOK sempre foi o pilar de sustentação.  Unir o momento de almoço para esta atualização é uma grande oportunidade para quem tem pouco tempo”, declara Rodrigo Paines, Vice-Presidente de Desenvolvimento Profissional e idealizador desta edição.


Rodrigo Paines também destaca a alegria de retomar o evento e o sucesso da iniciativa. “Fantástica, casa cheia, novos contatos e um sentimento muito agradável de reencontrar colegas que não via pela pandemia”, celebra Paines. Além do networking e da troca de experiências entre os profissionais de projetos, o Almoce com o PMIRS é uma ótima oportunidade para filiados conhecerem novas tendências do PMI, bem como para voluntários, que podem experimentar organizar eventos com pautas inovadoras.


A próxima edição do Almoce com o PMIRS será realizada em julho. Segundo Rodrigo Paines, a ideia é manter o evento na agenda mensal do Capítulo. Para conhecer a programação completa do PMIRS, acesse a agenda no site e fique de olho em nossas redes sociais.

]]>
Como construir uma cultura ágil? Saiba por onde começar Tue, 14 Jun 2022 11:23:47 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/660/?como-construir-uma-cultura-agil-saiba-por-onde-comecar.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/660/?como-construir-uma-cultura-agil-saiba-por-onde-comecar.html A criação de uma cultura de trabalho inclusiva e colaborativa estimula a inovação e adaptabilidade, beneficiando tanto funcionários quanto organizações. Falando dessa forma, não há quem não queira implantar uma cultura que beneficie a todos. Mas como construir uma cultura ágil, que é tão determinante para a eficácia de uma empresa? O Vice-presidente e Cientista Chefe do Disciplined Agile® do PMI®, Scott Ambler afirma que é algo muito mais trabalhoso do que incluir uma mesa de ping-pong no local de trabalho ou inserir qualquer outro adereço que deixe o ambiente um pouco mais inspirador ou criativo.


Enquanto pensadores discutem a definição do que seria cultura - “algo realizado repetidamente”, “o que você faz quando ninguém está olhando, ou ainda “comportamentos e tradições de um indivíduo ou comunidade” - podemos determinar o que seria uma mentalidade ágil disciplinada, que enfatiza a criação de ambientes eficazes que promovam a alegria no trabalho e a provocação para impulsionar a mudança de cultura sustentável, melhorando os sistemas de gerenciamento existentes.


Como seria, exatamente, uma cultura ágil?


  • Ela capacita as pessoas a colaborar e a assumir riscos de maneira inteligente. Espera que novos produtos e serviços exijam interação, em vez de perfeição no lançamento. Uma cultura que enfatiza “fazer certo da primeira vez” geralmente desencoraja a experiência e melhorias.
  • Ela se concentra em “puxar, não empurrar”, recompensando e incentivando comportamentos ágeis, em vez de reprimi-los.
  • Forçar um comportamento das pessoas pode ser um tiro no pé, pois elas podem resistir e até subverter a mudança que você está procurando. Mas, se eles sentirem uma sensação de propriedade compartilhada e adesão, eles estarão muito mais propensos a identificar maneiras de contribuir.
  • Ela se concentra no alinhamento estratégico e no valor em relação à entrega de projetos dentro do orçamento e no prazo.

Embora seja simples pontuar os principais aspectos de uma cultura ágil, pode ser extremamente desafiador para algumas organizações ou ambientes altamente regulamentados como o setor governamental, onde líderes são examinados de perto. Essas organizações enfrentam estruturas de incentivo muito diferentes das organizações que estão em ambientes mais competitivos que devem ser ágeis simplesmente para permanecer relevantes diante de concorrentes emergentes.


Uma pesquisa realizada recentemente pelo PMI® mostrou o impacto do ágil no governo dos Estados Unidos. Foi possível identificar certo progresso com iniciativas de inovação dentro do governo. Nosso relatório identifica a cultura organizacional como uma categoria crítica na avaliação da prontidão de uma organização para adotar princípios ágeis.


Então, como as organizações podem fazer o trabalho árduo de começar a construir culturas ágeis? Aqui estão algumas maneiras pelas quais as organizações podem considerar começar.

  • Reconheça que levará tempo.  A mudança cultural  nunca acontece da noite para o dia. Exige muita paciência, embora ainda associada à urgência e ao viés de ação inerente às abordagens ágeis. Manter o envolvimento dos funcionários (ou, para usar uma palavra mais apropriada, talento) ao longo desse longo horizonte de tempo pode ser aprimorado incentivando-os a encontrar motivação para aprender e dominar continuamente seu ofício.
  • Foco na melhoria dos sistemas.  A cultura, em última análise, é um reflexo dos sistemas de gestão em vigor; portanto, para mudar uma cultura, os sistemas gerais também devem ser evoluídos. Por exemplo, está cada vez mais em voga que os líderes tomem medidas públicas para enfrentar o desafio de solicitações ad hoc ininterruptas que chegam por e-mail e mensagens instantâneas. Alguns CEOs até pediram medidas como “sextas-feiras sem e-mail”; mas uma cultura que tomou forma em torno de expectativas de resposta rápida não pode mudar significativamente além de um nível individual, a menos que uma organização repense completamente sua abordagem de como as informações são compartilhadas e recuperadas.
  • Esforce-se para promover a alegria. Atrair grandes talentos e promover a inovação requer a construção de um ambiente que encoraje os talentos a ver o local de trabalho como algo que pode ser divertido e até alegre, não um lugar de trabalho árduo. Experimentos e trabalhos baseados em experimentos tendem a aumentar o sentimento de alegria que as equipes sentem.

Quais dicas você pretende seguir para começar a implantação de uma cultura ágil na sua empresa ou organização? 

Texto traduzido e adaptado do artigo do PMI®: Building an Agile Work Culture: Creating Inclusivity and Collaboration

]]>
A transformação digital e o profissional de projetos: entrevista com Roberto Petry Fri, 10 Jun 2022 11:10:19 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/659/?a-transformacao-digital-e-o-profissional-de-projetos-entrevista-com-roberto-petry.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/659/?a-transformacao-digital-e-o-profissional-de-projetos-entrevista-com-roberto-petry.html Cenários que já estavam em evolução sofreram um tipo de aceleração com o impacto da COVID-19 e a instauração de um novo mundo pós-pandemia - com novas necessidades e muitas transformações. É o caso da globalização e do uso cada vez mais intenso da Tecnologia da Informação, que cresce exponencialmente para atender a demanda de pessoas que abraçam um novo modo de trabalhar, comunicar, se relacionar, e vivenciar a rotina diária. 


O comportamento do profissional de projetos neste mundo cada vez mais digital é um dos temas abordados no MBA em Gerenciamento de Projetos para Negócios Digitais da PUCRS em parceria com o PMIRS. Confira a entrevista completa que nosso Diretor de Assuntos Internacionais, Marco Kappel, fez com Roberto Petry, Consultou Sênior, Líder na Engenharia de Soluções de Infraestrutura da Dell Digital.


Qual o impacto da transformação digital na área de tecnologia e negócios digitais?

Vivemos um crescimento da globalização e da consumerização da TI, com crescimento de soluções na área de mobilidade, uso intensivo de redes sociais, explosão de dados com o crescimento do volume de informações, com grandes investimentos na área de big data e analytics. Mudança não apenas na visão de uso de tecnologia, mas forma de armazenar, explorar e disponibilizar a informação dentro deste novo cenário, com plataformas alternativas de computação, como o cloud computing.

Com tudo isto, podemos dizer que a complexidade da TI tem sido uma crescente e demanda muita informação e reposicionamento estratégico dos gestores e profissionais de TI, e nova forma de pensar quanto ao engajamento da TI na estratégia do negócio e no desenvolvimento de carreiras profissionais. As empresas identificam uma oportunidade da tecnologia da informação agregar valor além das atividades transacionais e processos de back-office. 

Times distribuídos, com diferentes pessoas e perfis. Como gerenciar?


A formação de Equipes Geograficamente Distribuídas é caracterizada quando um ou mais atores envolvidos no projeto estão fisicamente distantes dos demais, gerando uma dispersão geográfica. Ela pode ser em escala regional, nacional, continental ou mesmo global. 


A Internet e o processo de trabalho remoto, fortemente impulsionado pela pandemia, permitiu às empresas a adoção de novas estratégias que aumentaram o número de profissionais em equipes distribuídas geograficamente em diversos fusos horários, falando diferentes idiomas, tornando ambientes de projetos cada vez mais complexos.


Com isto, precisamos estruturar em nosso modelo de trabalho estratégias e processos que possam endereçar os principais desafios de Equipes Geograficamente Distribuídas:


  •  A falta de padronização na realização das atividades entre as equipes distribuídas;
  •  A necessidade de desenvolver uma comunicação efetiva;
  •  As barreiras em relação ao idioma e comunicação;
  •  Diferenças/diversidades culturais e de contexto;
  •  Dificuldade de aquisição de confiança com colaboradores remotos;
  •  Necessidade de implementar protocolos de gestão de conflitos e accountability.

Mas ao mesmo tempo, esta mudança gerou uma série de oportunidades a serem melhor exploradas pelas organizações no que tange ao gerenciamento de Equipes Geograficamente Distribuídas:


  • Formar equipes de pessoas da mesma empresa que moram em áreas geográficas distantes para fomentar a inovação;
  • Adicionar especialização a uma equipe do projeto, embora o especialista não esteja na mesma área geográfica;
  • Incorporar funcionários que trabalham em escritórios domésticos;
  • Formar equipes de pessoas que trabalham em diferentes turnos ou horas (conhecimento na literatura como “modelo follow the sun” ou “around the clock”);
  • Incluir pessoas com deficiência de locomoção;
  • Avançar em projetos com redução de despesas em viagens e deslocamento.

Existem algumas recomendações que poderíamos elencar como fundamentais para que este modelo funcione bem, como por exemplo: objetivos claros, autonomia, commitment, flexibilidade, investimentos em tecnologia que habilitem a colaboração e interação entre os membros da equipe.


Qual o comportamento esperado neste mundo cada vez mais Digital?


Neste mundo cada vez mais digital, é fundamental para os gestores e profissionais de TI que reposicionem suas estratégias de desenvolvimento de carreira, visando o aprimoramento de competências técnicas e soft skills que o habilitem a atuar neste cenário em grande evolução.


Como soft skills fundamentais para um gestor neste mundo em transformação, podemos citar:


  • Conhecer o negócio e identificar oportunidades de explorar a tecnologia digital; 
  • Ser um hábil negociador;
  • Ter flexibilidade para trabalhar em ambientes de mudanças constantes; 
  • Ser um educador eficiente para disseminar a cultura digital na sua organização; 
  • Ter capacidade de trabalhar bem em ambientes de colaboração cada vez mais: multidisciplinares, globais e com grande diversidade.


Quer aprender mais sobre Perspectivas da Transformação Digital? 

Inscreva-se aqui para o MBA em Gerenciamento de Projetos para Negócios Digitais da PUCRS.

]]>
4 pilares de uma liderança anti-burnout Mon, 30 May 2022 14:02:45 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/658/?4-pilares-de-uma-lideranca-anti-burnout.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/658/?4-pilares-de-uma-lideranca-anti-burnout.html A mudança na forma de trabalhar acentuada pelas necessidades impostas na pandemia foi uma das responsáveis pelo aumento dos casos de Burnout entre os profissionais. Tanto que a OMS (Organização Mundial da Saúde) classificou o Burnout como uma das doenças do trabalho no início deste ano.

De acordo com o Ministério da Saúde, o Burnout trata-se de “um distúrbio emocional com sintomas de exaustão extrema, estresse e esgotamento físico resultante de situações de trabalho desgastantes, que demandam muita competitividade ou responsabilidade”.

A questão é: como lidar com os casos crescentes da doença dentro das equipes? O que os líderes podem propor para incentivar a colaboração e o desenvolvimento de práticas saudáveis?

Uma pesquisa global publicada na International Journal of Environmental Research and Public Health no final de 2021, apontou que líderes promovem um sentimento de identidade contribuem na prevenção do Burnout entre seus liderados. O estudo Global Identity Leadership Development foi conduzido pelo professor Rolf van Dick na Goethe University e coletou dados de 12.294 pessoas, sendo 7.294 entrevistados de 28 países, incluindo o Brasil, em 2020 e 2021, durante a pandemia.

Confira os quatro pilares apontados pela pesquisa que contribuem para a redução do risco de Burnout entre os profissionais:

1) Senso de pertencimento criado pela liderança — vai haver sempre o estímulo de criar uma identidade da equipe.

2) Líder visto como uma pessoa da equipe — a liderança é parte do time, sem transparecer um sentimento de hierarquização.

3) Defende os interesses da equipe — a liderança vai entender quais são os interesses do time e reconhecer sempre que houver algum feito.

4) Promove significado — esse grupo entende o propósito do time e sabe como ele atua para que a empresa possa alcançar os resultados pré-estabelecidos.


Reflita:
Seu time é uma rede de apoio para as decisões da liderança? Como você pode contribuir para reduzir o risco de Burnout entre a equipe?

Confira a pesquisa na íntegra AQUI.]]>
Qual o índice de maturidade da sua empresa? Thu, 26 May 2022 14:02:40 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/657/?qual-o-indice-de-maturidade-da-sua-empresa.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/657/?qual-o-indice-de-maturidade-da-sua-empresa.html Essa é a pergunta que a Pesquisa de Maturidade em Gerenciamento de Projetos (Maturity Research) busca responder através de um índice. Divulgado com base no MMGP – Modelo de Maturidade em Gerenciamento de Projetos, do consultor Darci Prado, que pode ser aplicado a empresas privadas, autarquias, órgãos de governo e terceiro setor - a medição é um indicador importante de oportunidades.

Nesta última edição, que pesquisou os dados cedidos por 181 profissionais e 4.525 projetos de diversas empresas e setores em 2021, o índice de maturidade média do país alcançou o nível de 2,94.

O índice posiciona as ações e resultados das empresas de acordo com tipos de sucesso (total, parcial, fracasso), percepção do valor do GP, bem como atraso, estouro de custos e execução do escopo. 


De acordo com o Modelo de Maturidade Prado (MMGP), as empresas podem estar posicionadas em cinco níveis na gestão de projetos: Quase desconhecido; Iniciado; Padronizado; Gerenciado e Otimizado.

O que diz a pesquisa

Os principais resultados gerais de 2021 foram:

1- Maturidade média Brasil: 2,94

2- Índices de Sucesso:

  • Sucesso total: 60%
  • Sucesso parcial: 31%
  • Fracasso: 9%

3- Atraso médio: 21%

4- Estouro médio de custos: 12%

5- Atingimento do escopo planejado: 79%

Para entender melhor as informações que podem ajudar na melhora do desempenho, é preciso saber em qual nível está a empresa.



Fonte: Pesquisa Maturidade em Gerenciamento de Projetos 2021 Copyright - Darci S. Prado 12

Baixo Desempenho – GP é assunto quase desconhecido. Iniciativas isoladas. Corresponde aos níveis 1 e 2 de maturidade.

Médio Desempenho– implantaram padrões. Os resultados ainda estão abaixo do possível. Corresponde ao nível 3 de maturidade

Alto Desempenho - os padrões funcionam, trazem resultados e foram otimizados. Corresponde aos níveis 4 e 5 de maturidade.


A pesquisa mostrou que organizações de alto desempenho (níveis 4 e 5) apresentam quase o dobro de sucesso total quando comparadas com as de baixo desempenho (níveis 1 e 2).

E, principalmente, organizações de alto desempenho possuem índice de fracasso quase 4 vezes menor que as de baixo desempenho. Segundo a análise da pesquisa, “uma estratégia que mire o alto desempenho permitirá enormes benefícios, incluindo profundo corte nos prejuízos por estouro de custos”.

Na mensagem da coordenação, emitida pela equipe gestora da Pesquisa, é possível entender alguns fatores e destacar tendências. O número de participantes na edição de 2021 foi menor que nas anteriores, justificado por questões como redução de investimento do setor público (federal e estadual); crise econômica vivenciada desde 2014 e a pandemia de Covid-19, que diminuiu investimentos internos desde 2020.  “Observe que utilizamos o indicador “investimentos” para explicar a baixa participação e lembramos que existe uma forte ligação entre investimentos e projetos.”

Outro ponto que merece destaque é o elevado índice de maturidade frente aos anos anteriores. Será que as empresas realmente estão mais maduras? A coordenação da pesquisa trabalha com duas hipóteses:

1) As empresas mais sólidas mantiveram as áreas de gestão de projetos e participaram da pesquisa, mesmo com a crise e a pandemia. Isso elevaria a qualidade da amostra da pesquisa, refletindo especialmente o nível de maturidade dessas empresas.

2) Realmente as empresas estão mais maduras. O motivo - apontado inclusive em um artigo da Gartner intitulado “2021 CIO Agenda: A Brazil Perspective” - seria uma verdadeira virada no tratamento à transformação digital nas organizações. Segundo o documento da Gartner, “o enfrentamento da Covid-19 e a Transformação Digital se mesclaram ao se repensar adequadamente os objetivos, estratégias e roteiros”.

A próxima edição da pesquisa será decisiva para confirmar a maturidade das empresas.

É possível participar da pesquisa e avaliar a maturidade em gerenciamento de projetos da sua empresa. Acesse o site https://maturityresearch.com para saber mais e envolva-se com o desenvolvimento no Brasil. ]]>
Projeto de adequação à LGPD está sendo executado pela Diretoria de Expansão do PMIRS Mon, 23 May 2022 14:38:17 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/656/?projeto-de-adequacao-a-lgpd-esta-sendo-executado-pela-diretoria-de-expansao-do-pmirs.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/656/?projeto-de-adequacao-a-lgpd-esta-sendo-executado-pela-diretoria-de-expansao-do-pmirs.html A Diretoria de Expansão do PMI Rio Grande do Sul está liderando o Projeto de Implantação da Conformidade do Capítulo à LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais). Isso significa que a diretoria está trabalhando para garantir a segurança das informações prestadas por filiados e voluntários do PMIRS. 


A atividade conta com o apoio de voluntários dos Branches de diversas regiões do RS, da área jurídica, de proteção de dados e de gerenciamento de projetos. Na etapa vigente, estão sendo desenvolvidas a Política de Proteção de Dados e a cláusula de conformidade, que será incluída nos formulários de inscrição para os eventos do Capítulo.


“Este projeto é de vital importância para criar procedimentos de garantia da segurança de dados pessoais dos filiados, voluntários, funcionários e demais simpatizantes envolvidos nos eventos e atividades do Capítulo, buscando conscientizar a todos da cultura de cuidado dos dados, evitando acesso indevido, ou mesmo, vazamento de informações - situações que poderiam gerar transtornos para os impactados”, explica o Diretor de Expansão do PMIRS, Antônio Pasa.


Além da adequação à LGPD, a Diretoria de Expansão do PMIRS tem executado outros projetos pelo interior do estado. Confira abaixo as atividades desempenhadas nos últimos meses pelos branches do Capítulo e os eventos previstos para o ano:


  • Branch Norte (sede em Passo Fundo): realizou Aula Inaugural de gerenciamento de projetos no início da nova edição do MBA de Gerenciamento de Projetos da UPF, além de participar de aula do campus da mesma universidade na cidade de Casca. Em setembro, realizará o PMDay Indústria em parceria com o Branch Serra.
  • Branch Serra (sede em Caxias do Sul): está em planejamento a realização do Papo de Projeto sobre Transição de Carreira, previsto para junho. Em setembro realizará o PMDay Indústria em parceria com o Branch Norte.
  • Branch Sul (sede em Pelotas): realizará, em junho, evento de introdução ao tema do PMDay Inovação.
  • Núcleo Vale do Taquari (sede em Lajeado): está fortalecendo a parceria com a Univates para inserção nas disciplinas de Gerenciamento de Projetos nas engenharias e no Congresso de Ciência e Tecnologia, programado para outubro. Para agosto, está sendo planejada a realização de um ProjCast.

Para ficar por dentro da agenda de eventos dos branches do PMIRS, fique de olho em nosso site e outros canais de comunicação.

]]>
Liderança e Gestão de Projetos será tema do painel Mulheres que Transformam, no dia 31 de maio Wed, 18 May 2022 15:18:01 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/655/?lideranca-e-gestao-de-projetos-sera-tema-do-painel-mulheres-que-transformam-no-dia-31-de-maio.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/655/?lideranca-e-gestao-de-projetos-sera-tema-do-painel-mulheres-que-transformam-no-dia-31-de-maio.html Liderança e gestão de projetos será o tema do painel Mulheres que Transformam - A carreira de gerenciamento de projetos e o protagonismo feminino, previsto para acontecer de forma online, no dia 31 de maio, a partir das 19h30. O tema será abordado sob a visão de três mulheres que inspiram e têm papel de transformação em suas organizações. 


Estarão conosco a Coordenadora de Pesquisa e Desenvolvimento da Magazine Luiza e ex-presidente do PMI-DF, Nathália Tatagiba, a Diretora Executiva do Branch Serra Gaúcha e voluntária do PMIRS, Nicole Fadanelli Coppi, e a Publicitária, Cristiane Rojas, que já trabalhou com grandes marcas como C&A, Ford, Nokia e Renault. O evento é uma realização da Diretoria de Eventos Estratégicos do PMIRS.


Gisele Selli, Gerente de Projetos que está à frente da realização do evento, lembra que o protagonismo feminino na gerência de projetos tem se tornado um vetor de mudança em ambientes corporativos e na sociedade como um todo, mas que, mesmo assim, a desigualdade ainda é evidente. “Sabendo-se da disparidade de gêneros em cargos de liderança na grande maioria das áreas, é de suma importância divulgar, celebrar e prestigiar as conquistas obtidas por mulheres que se destacam em seus cargos e funções”, diz a GP sobre a relevância da iniciativa.


A Coordenadora de Pesquisa e Desenvolvimento da Magazine Luiza, Nathália Tatagiba, vai ministrar sobre liderança, em sua palestra “O que as mulheres trazem para a mesa?”. Ela pretende encorajar outras mulheres a mostrarem o seu trabalho. “Se relacionar dá trabalho para caramba, liderar muito mais, e na correria em que vivemos, está todo mundo sem tempo. Tempo é nosso bem mais escasso, só que para desenvolver pessoas, você precisa dedicar tempo para conhecê-las. Não vamos acertar sempre nem com todo mundo, mas a atenção e o cuidado que você tem, enquanto líder, fará toda a diferença”, comenta a ex-presidente do PMI-DF.


O painel Mulheres que Transformam trará profissionais mulheres que tenham vivência em gestão de projetos nas mais diversas áreas para compartilhar o seu conhecimento com a apresentação de cases.


Participe do painel “Mulheres que Transformam”.

Saiba mais sobre o evento e faça já sua inscrição - clique aqui.]]>
PMIRS assina termo de cooperação com o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul Mon, 16 May 2022 17:50:12 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/654/?pmirs-assina-termo-de-cooperacao-com-o-tribunal-de-justica-do-estado-do-rio-grande-do-sul.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/654/?pmirs-assina-termo-de-cooperacao-com-o-tribunal-de-justica-do-estado-do-rio-grande-do-sul.html O PMIRS assinou um termo de cooperação com o Poder Judiciário do Estado do Rio Grande do Sul na tarde do dia 12 de maio, no Auditório do Palácio da Justiça. O acordo tem o objetivo de difundir e implementar as melhores práticas de gerenciamento de projetos no âmbito do Poder Judiciário gaúcho, por meio de orientação e suporte a serem realizados pelo PMIRS junto à Assessoria de Assuntos Estratégicos do TJRS (ASSEST).


“Estamos fechando, apenas no primeiro semestre, quatro novos acordos de cooperação. Dois deles para entidades de representação de classe, envolvendo, ao todo, mais de 40 mil associados. O terceiro, com uma parceria em uma grande empresa privada que reúne profissionais de projetos de inovação, com representantes no Brasil e em outros países. E me alegra muito saber que o nosso quarto acordo de cooperação vem do setor público estadual, pois, há algum tempo, temos dedicado esforços para construir uma parceria duradoura e que realmente faça a diferença”, comenta Alex Rosa, Presidente do PMIRS.


Para a Assessora-Coordenadora da ASSEST, Carla Melo Amarelle, a modernização do TJRS, no que diz respeito à gestão de projetos por meio da qualificação de seus colaboradores, é de suma importância para melhoria da Organização como um todo e, por consequência, da sua prestação jurisdicional. “A parceria firmada com o PMI vem ao encontro desse crescimento e muito contribuirá para o aprimoramento de nossa gestão estratégica com a transmissão de conhecimentos técnicos que o TJ (Tribunal de Justiça) necessita para avançar nesse desiderato”, afirma a assessora.


A assinatura do termo de cooperação entre o PMIRS e o Tribunal de Justiça do Estado do Rio Grande do Sul (TJRS) possibilita a execução de um plano de trabalho que vai envolver diretamente os Escritórios de Projetos do setor. Também serão realizados eventos com a temática de gerenciamento de projetos, como palestras e apresentações desenvolvidos em parceria. Além disso, os profissionais do Poder Judiciário poderão obter descontos e gratuidades nos eventos realizados pelo PMIRS.

]]>
1˚ Conexão Voluntários de 2022 premiou Projetos Destaques do GP Start Fri, 13 May 2022 11:24:23 -0300 https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/653/?1-conexao-voluntarios-de-2022-premiou-projetos-destaques-do-gp-start.html https://pmirs.org.br/noticia/visualizar/id/653/?1-conexao-voluntarios-de-2022-premiou-projetos-destaques-do-gp-start.html No último dia 30, o PMI Rio Grande do Sul realizou o 1˚ Conexão Voluntários do ano. Um evento exclusivo para voluntários do Capítulo e realizado de forma online. Na ocasião, os voluntários ficaram por dentro das novidades do PMIRS para 2022, puderam trocar experiências e conhecer os projetos desenvolvidos por cada time nos primeiros meses do ano - e que estavam concorrendo ao GP Start. No final da manhã, foram anunciados os vencedores.  



Ganhadores do GP Start, iniciativa de projetos realizados pelo Capítulo no primeiro trimestre do ano


As premiações do GP Start foram conhecidas no Conexão Voluntários em três categorias. Confira a lista dos vencedores:


  • Projeto Vencedor GP Start: PMDay Space, liderado pela voluntária Juliana Gongorra;
  • Diretoria GP Start: Diretoria de Projetos Públicos, liderado pelo voluntário Rafael Faria;
  • Equipe GP Start: Seminário para ONGs do Extremo Sul – Porto Alegre/RS, liderado pela voluntária Bruna Mattos.

“O Conexão Voluntários é um evento que sempre estará na agenda do nosso Capítulo. O principal ganho é conhecer novas realidades, ter experiências profissionais ou acadêmicas, contribuir para a transformação social e o bem-estar do próximo e, ainda, somar capacidades que farão a diferença na sua vida profissional”, comenta Márcio Silva dos Santos, VP de Filiação e Voluntariado do PMIRS. O evento também oportuniza que os voluntários se aproximem e contribuam na jornada profissional um do outro.



A importância do voluntariado para adquirir novos conhecimentos


Os voluntários também puderam conhecer mais a trajetória profissional de William Meller, ex-voluntário no PMIRS, que começou como membro de equipe, chegou ao voluntariado no PMI Global e hoje tem uma carreira internacional.



Em formato de bate-papo, William Meller compartilhou sobre o começo de sua carreira e pontuou que, no PMIRS, pôde se envolver em inúmeros projetos, desempenhando diversas funções, de membro de equipe à Gerente de Projetos. Para ele, é importante se envolver em times, aprender sobre temas que estão fora da sua área de atuação, para usar o voluntariado como oportunidade de adquirir conhecimentos além da gestão de projetos. 


Por sua experiência no voluntariado, conseguiu iniciar carreira em gestão de projetos. Ele continuou voluntariando e foi incentivado a participar do PMI global. William compartilhou que, apesar de não se sentir 100% pronto, arriscou. Isso foi fundamental para seu crescimento, principalmente para alavancar sua carreira trabalhando com times internacionais e, atualmente, trabalhar no exterior. Meller diz ser necessária a dedicação no voluntariado, não apenas usar horas que estão sobrando, mas dedicar horas para isso. 


Outro ponto relevante que o ex-voluntário mencionou é a importância das conexões que ele fez, das pessoas que conheceu, que são suas amigas, com quem tira dúvidas, pede conselhos e se diverte quando há oportunidade. A experiência de voluntariar continua relevante para o William, tanto que já está envolvido com o PMI Suécia.



A segunda edição do Conexão Voluntários será presencial


O próximo Conexão Voluntários já está sendo preparado pelas Coordenadoras de Filiação, Janine Scherer e Coordenadora de Voluntariado, Bruna Mattos, que trarão algumas surpresas e novidades. Desta vez, o evento será presencial no dia 28 de maio. “Os voluntários podem esperar muita colaboração, mão na massa, integração e aprendizado. Será um evento que todos trabalharão juntos para impulsionar o crescimento do PMIRS”, avisa Márcio Santos. 


Para mais informações sobre o próximo evento, fique de olho nos canais de comunicação do PMIRS.



]]>